Informações conflitantes, versões diferentes para o mesmo fato e acusações que levam ao questionamento: quem está falando a verdade? Para que não reste dúvida entre as denúncias da presidente do Conselho Municipal de Educação (CME) de Penedo, professora Ana Flávia Teixeira, e o desmentido da Secretaria Municipal de Educação (Semed), a Câmara de Vereadores marcou uma acareação entre representantes das duas entidades.

O confronto de documentos e afirmações está marcado para as 14h30 da próxima terça-feira, 09 de abril, na sede da Câmara Municipal de Penedo, data e local definidos durante a reunião desta quinta-feira, 04 de abril, por determinação do Presidente da CMP, vereador Cidoca (Alcides de Andrade Neto/PSD). A comissão formada pelos edis Dr. Raimundo (Raimundo Jorge Rosário Souza/DEM), Mano da Caçamba (Armando Lima/PTB) e Ronaldo Vicente (PSDB) mediará o debate que deve esclarecer todas as questões relacionadas à mudança de sede do CME, os documentos que estavam no Conselho e as medidas tomadas pela Semed.

Acusação e defesa

Acusada por apropriação indébita durante pronunciamento da presidente do CME de Penedo na Câmara de Vereadores em 28 de março, a Semed pediu e recebeu autorização do Presidente Cidoca para fazer sua defesa na mesma tribuna da Casa de Leis. Os argumentos da Secretaria de Educação foram expostos pela Coordenadora Geral da pasta, professora Keith Guimarães Maia, e pelo gestor da Semed Wesley Marques Oliveira, o Léo Marques.

Em resumo, a Semed afirmou que o MEC não permite “desvio de objetivo” nas instalações de escolas de Educação Infantil. Sendo assim, o Conselho não poderia funcionar numa das salas da creche-escola Lúcia Nogueira Moreira, local para onde a sede da entidade foi removida em 27 de dezembro de 2012. Em relação aos documentos e equipamentos subtraídos, conforme acusou a professora Ana Flávia, a Semed disse que acionou a Inspetoria Escolar para resgatar o material seguindo orientação do MEC e da Procuradoria Geral do Município.

Falta diálogo

Para a vereadora Lúcia Barbosa, o embate de informações entre o Conselho e a Semed é reflexo da falta de diálogo e da disputa entre grupos políticos adversários. “Essas brigas não levam a nada, até parece que tem um pessoal que quer trabalhar e outro que quer atrapalhar”, comparou a parlamentar durante o debate que contou com a participação dos demais edis, questionamentos que tomaram cerca de três horas da primeira sessão ordinária da Câmara Municipal de Penedo no mês de abril.