O vereador Valdir Batista dos Santos (Nem Batista) voltou a declarar na tribuna da Câmara Municipal de Penedo que promoverá, em parceria com produtores rurais, o bloqueio da rodovia AL 110 no trevo de acesso ao povoado Bolívar. A manifestação pretende chamar atenção das autoridades sobre o complemento da pavimentação com asfalto do principal acesso à Cooperativa Pindorama, importante centro comercial e pólo de agricultura para as regiões do Baixo São Francisco, Agreste e Litoral Sul de Alagoas.

Nem Batista também usou a tribuna para dizer que decide, até o início do próximo ano, se tentará a reeleição. Segundo alegou, a falta de atendimento dos requerimentos que faz à Prefeitura de Penedo e a incompreensão do eleitorado que o apoiou em relação ao trabalho parlamentar são os motivos da avaliação.

Lanterna

Liderança respeitada na zona rural, principalmente entre doze comunidade situadas próximas dos povoados Santa Margarida e Palmeira Alta, Nem Batista demonstrou sua indignação ao afirmar que o médico atende pacientes com lanterna no posto de saúde da região por falta de reposição de lâmpada no setor, só para citar um dos requerimentos que fez à administração atual sem que houvesse o esperado atendimento do reclame popular.

Moradores do povoado Castanho Grande exigem também iluminação pública, sendo que a troca de lâmpadas nos postes da comunidade ocorreu na gestão passada, ou seja, há quase dois anos, segundo reclamou o edil. Já no ginásio da Escola Municipal Hanna Bertholet o problema é um ‘gato’ na instalação elétrica do local que teve a energia cortada. O improviso na rede pode causar acidente, inclusive morte, de estudantes da unidade, conforme voltou a alertar o vereador que já requereu, por mais de uma vez, solução para o problema.

Decepcionado

“Eu estou muito decepcionado com o Prefeito Március Beltrão e não acredito no sucesso desta gestão nos próximos dois anos porque não dá mais tempo e eu vou ter que ir nas rádios pra mostrar o que fiz e o que eu pedi e não foi feito. Até o povo do sítio diz: o vereador não está brigando ‘por a gente’ e é muito triste ouvir isso!”, reclamou Nem Batista, acrescentando outra queixa recorrente: ampliação do cemitério da Palmeira Alta.

“O povo agora vai ter que enterrar as pessoas em pé porque não cabe mais ninguém”, disse, comentando ainda que a parte festiva do Bom Jesus de Penedo em 2015 pode ser feita com artistas locais, o que demonstraria ainda a valorização da cultura regional e que o desemprego na zona rural vai aumentar porque usinas que fabricam açúcar e álcool na região já estão mecanizando a colheita da cana em nossa região.