A audiência pública promovida ontem (quinta-feira, 13 de novembro) pela Câmara Municipal de Penedo (CMP) apontou uma solução para o abate de animais cuja carne é comercializada para consumo humano no nosso município. Sem dispor do matadouro público, interditado em maio deste ano, setores da economia local e a população estão prejudicados e necessitados de alternativa.

Da mesma forma que atuou em outras oportunidades (mutuários da FEULB, regularização dos mototaxistas, impasse entre Sindspem e Prefeitura), os vereadores penedenses articularam, com apoio de instituições como Defensoria Pública, OAB, Ministério Público e outras, meios para tentar resolver os problemas causados pelo fechamento do matadouro público municipal.

Matadouro de Penedo não reabre

Com a presença de representantes da Adeal, IMA, Promotoria de Justiça, governo municipal, marchantes, donos de açougues e fornecedores de gado, o encontro confirmou a impossibilidade de reabertura do matadouro lacrado por ordem do Ministério Público Federal, conforme ficou claro nas explicações do Diretor de Licenciamento do Instituto do Meio Ambiente (IMA), Ludgero de Barros Lima.

Também não é possível abater no matadouro de Igreja Nova ou no de Coruripe porque ambos não atendem os padrões do Serviço de Inspeção Estadual (SIE) e por isso servem, exclusivamente, à demanda do município no qual está situado. Como a negociação para instalação de um matadouro particular em Penedo, por meio de uma Parceria Público Privada (PPP), depende ainda de uma série de procedimentos burocráticos e administrativos, a Prefeitura de Penedo manteve contato com o proprietário do Frigorífico Nutrial, instalado em Propriá-SE.

Nutrial tem SIF

Com respaldo do Serviço de Inspeção Federal (SIF), o Nutrial pode ser a solução imediata para regularização do problema de forte impacto social em Penedo, sendo que toda a carne deixa a indústria sergipana refrigerada a cinco graus, não há fornecimento de ‘carne fresca’, o que obrigará todos os comerciantes de carne instalados em Penedo dispor de freezer ou câmera frigorífica.

Além disso, existe o custo de toda a operação a ser realizada, desde a saída do gado do curral do pecuarista à recepção da carne resfriada. Para discutir a viabilidade financeira da proposta e o posterior andamento entre Prefeitura, marchantes/fornecedores/comerciantes e empresa sergipana, foi marcada uma reunião para a próxima segunda-feira, 17 de novembro, às 14 horas, na sede do governo municipal para apresentação de valores e decisão a ser tomada.

O encontro marcado durante a audiência pública, em comum acordo com as partes interessadas, prevê a participação de comissão representando cada setor envolvido, inclusive a Câmara Municipal de Penedo que, mais uma vez, cumpre com sua missão de atuar na busca de soluções para os problemas de interesse da população penedense.

Por Fernando Vinícius – jornalista MTB 837/AL