Depois da participação da entidade na reunião anterior da Câmara Municipal de Penedo, realizada 29 de maio.

Segundo Messias da Filó, a convocação de assembleia extraordinária na segunda-feira, 02 de junho, quando foi deflagrada uma paralisação de três dias dos servidores da Educação, não observou a retomada do diálogo por parte da prefeitura, conforme dito pela presidente do sindicato Sandra Alves, e nem o esforço dos vereadores, especialmente o líder do governo na CMP, para intermediar a negociação.

“Não houve silêncio por parte do governo e se desta Casa não tivesse saído alguma coisa para buscar uma saída, mas houve resposta da prefeitura, a Caixa confirmou que o problema do pagamento foi causado na agência de Penedo, então a Câmara não pode servir para manipulação de determinadas situações”, disse Messias da Filó.