O Projeto de Lei nº 08/2019 foi aprovado nesta segunda-feira, 10, na Câmara Municipal de Penedo (CMP). A matéria que trata da reforma administrativa na prefeitura penedense recebeu quatro emendas modificativas, todas de autoria do Vereador Fagner Matias, e foi aprovada por maioria dos votos.

As modificações no PL nº 08/2019 especificam que a criação de comissões municipais e os critérios para concessão de gratificação devem ser estabelecidos por lei, e não por decreto, como estava previsto no texto do projeto enviado pelo Poder Executivo.

Outra modificação diz respeito aos condutores de ambulância. Considerando que a nomenclatura será extinta e os servidores da citada função serão enquadrados como motorista da prefeitura, a emenda prevê que a condução das ambulâncias fique a cargo, preferencialmente, para condutores com CNH D e qualificação em Atendimento Pré-hospitalar, exigências descritas no edital no concurso de 2010.

A última emenda devolve, na tabela dos cargos e salários, o nível de escolaridade (Médio) para servidores aprovados no concurso de 2010 para Agente Fiscal de Trânsito. Na proposta enviada para a Câmara o cargo estava com CCE I, código que identifica servidor de nível fundamental.

As emendas modificativas foram aprovadas por unanimidade dos parlamentares, sendo que a bancada de oposição votou contra o restante do PL nº 08/2019. Agora, a reforma administrativa segue para sanção ou veto do Chefe do Poder Executivo Municipal.

 

Por Fernando Vinícius – jornalista MTB 837/AL

Siga a CMP nas redes sociais @camarapenedo (Instagram e Facebook)

Portal oficial da Câmara Municipal de Penedo https://camarapenedo.al.gov.br/

Acompanhe as sessões da Câmara Municipal de Penedo, em tempo real, pelo https://www.facebook.com/camarapenedo/ todas as quintas-feiras, a partir das 14h30

Canal da CMP no YouTubehttps://www.youtube.com/channel/UCY-6KofOcupUhAQ2mgRN1Cw

 

 

 

Artigo anteriorVereadores debatem reforma administrativa com representantes do Sindspem
Próximo artigoDerivan Thomaz coordena reunião sobre crime ambiental na APA do Marituba