o vereador pediu “mais atenção” da administração municipal para situações que tem observado em Penedo, entre elas a falta de condições dignas de trabalho para agentes de trânsito e o atendimento à população no posto de saúde do SESI e no CAPS. Nestes locais onde as pessoas estão madrugando e até dormindo na porta das unidades em busca de atendimento, conforme reclamou no plenário da Câmara Municipal de Penedo (CMP) na sessão de quinta-feira, 03.

As cobranças que ouve da população, queixas que também são feitas aos demais vereadores, são levadas ao conhecimento do Poder Executivo pelo vereadores, de situação ou de oposição, todos iguais no cargo e eleitos para representar o povo no Poder Legislativo.

Na forma de pronunciamentos ou dos requerimentos, os reclames são feitos pelos vereadores, atuação que é do conhecimento do governo que não se comunica com a Câmara e nem resolve os problemas do município, o que demostra a falta de respeito da atual gestão para com a Câmara e, por conta da representatividade, com o povo de Penedo.

O distanciamento entre a gestão e os servidores/população gera situações como a impossibilidade de uma atuação mais incisiva dos agentes de trânsito. Sem poder de multa e nem de polícia, o que ocorreria se houvesse a municipalização do trânsito, os agentes assistem impotentes ao desrespeito que ocorre na Rua São Miguel, centro comercia da cidade.

O trecho que passou a ser de mão única em 2013 é ignorado, conforme frisou Ronaldo Vicente, lamentando ainda a falta de educação dos motoristas em relação às leis de trânsito. O vereador criticou também a relação desigual da Presidência da CMP para com alguns parlamentares e o comportamento de parte do secretariado do governo municipal, principalmente pelo desrespeito com os vereadores, de oposição e de situação.

“Quem está secretário foi colocado por apenas uma pessoa, o prefeito. Quem está vereador foi eleito pelo povo e é seu legítimo representante”, afirmou Ronaldo Vicente, lamentando a incapacidade de compreensão do papel do legislador por parte de secretários municipais. Ele sugeriu ações conjuntas entre Legislativo e Executivo e que todos os parlamentares, independente de posição em bancada, já se colocaram à disposição do governo municipal para colaborar, apoio desprezado pela atual administração.