O Vereador Mano da Caçamba (Armando Lima) requereu proteção para as vias públicas de Penedo que ainda guardam o que há de mais antigo na história da Cidade dos Sobrados. Das mudanças feitas ao longo dos anos no Centro Histórico, restaram apenas duas ruas com pedras assentadas provavelmente por escravos.

Uma delas fica por trás da Escola Estadual Gabino Besouro, uma pequena travessa entre a Rua João Pessoa – antiga Rua da Penha – e o Largo do Rosário. O trecho maior, já bem dilapidado das peças originais, fica no Paço Municipal, entorno da Praça Barão de Penedo, no trecho entre a Catedral Diocesana, a Casa de Aposentadoria e a Prefeitura de Penedo.

Para evitar a perda total do que resta do pavimento secular, Mano da Caçamba pediu medida de proteção e conservação das ruas com pedras históricas na sessão de quinta-feira, 18, seja por parte da prefeitura ou do Iphan, órgão federal de proteção ao patrimônio tombado, proposta elogiada pelos colegas parlamentares.

Na mesma reunião, Mano requereu que a Prefeitura de Penedo retire o mato que cresce dentro do Cemitério São Gonçalo do Amarante, o maior e mais antigo campo santo da cidade.