O Vereador Antônio Nélson Oliveira de Azevedo Filho (Nelsinho) propôs convidar representantes da Prefeitura de Penedo e do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Penedo (Sindspem) para discutir o Decreto 473 no plenário da Câmara. A sugestão que visa encontrar uma solução aos problemas criados para comerciantes e servidores foi apresentada durante a sessão realizada em 03 de dezembro.
“O servidor teve o limite reduzido e não está pagando pela conta que fez”, disse Nelsinho ao comentar a suspensão, pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Penedo, dos convênios que atendem aos funcionários da Prefeitura.

Além dos trabalhadores, o prejuízo é estendido ao comércio da cidade, abalado pela crise mais acentuada aos lojistas que atuam no Centro Histórico, já afetados pela perda de clientes por contas das obras no local.

“O que a gente testemunha é a falta de sensibilidade e de responsabilidade do gestor que se nega a atender um pedido que está a seu alcance. Ele está prefeito para atender a quem?”, questionou Nelsinho sobre o silêncio de Március Beltrão em relação ao pedido do Sindlojas, CDL e Sindspem para rever descontos e prazo de efetivação do Decreto 473, ato que regulamentou o convênio sem discussão prévia com os setores afetados.

Nelsinho disse ainda que a situação atual em relação ao tema que abordou em seu discurso poderia ser outro, caso a Câmara Municipal de Penedo estivesse envolvida no processo. Daí, a justificativa de sua proposta de debater o Decreto 473 no plenário junto com representantes do Sindspem e do governo, citando a indicação da Presidente Ana Flávia Teixeira (Sindspem), o Prefeito Március Beltrão e o Procurador Geral do Município, Francisco Sousa Guerra.