O Prefeito de Penedo é uma pessoa fria, sem amor ao próximo e que tem uma “pedra de gelo” no coração. Com essas palavras, o Vereador Nelsinho (Antônio Nélson Oliveira de Azevedo Filho) abriu seu pronunciamento na Câmara Municipal de Penedo nesta quinta-feira, 24.

A análise do parlamentar que comunicou sua saída da bancada de oposição para atuar como independente é fundamentada no comportamento do gestor em relação ao município, especialmente sobre a greve na Educação, movimento com mais de 110 dias que será tema de audiência pública solicitada por Nelsinho.

Ele frisou que já passaram mais de 20 dias da mediação realizada pelo Ministério Público sobre a paralisação, com sugestão do Promotor de Justiça Izadílio Vieira para concessão de reajuste de 7% para professores. Apesar disso, o Poder Executivo não envia para a Câmara o Projeto de Lei com a proposta que formaliza o acordo que assegure a retomada no ano letivo.

“É uma pessoa ruim, sem coração, é uma pessoa que não tem condição espiritual de olhar para o próximo e não enxergar que ali está alguém há quase cinco anos sem qualquer aumento salarial”, exemplificou Nelsinho sobre a falta de reajuste para secretários e agentes administrativos, conforme posição adotada desde o princípio da greve pelo gestor.

O Vereador falou ainda sobre o estado deplorável das estradas vicinais de Penedo, afirmando que somente a intervenção divina impede a ocorrência de acidentes com ônibus que transportam estudantes, por exemplo. Ele afirmou também que os moradores da comunidade Ilha das Antas não recebem qualquer tipo de assistência do governo municipal e recorrem aos serviços, especialmente na área de saúde, no município sergipano de Ilha das Flores.

No povoado Tabuleiro dos Negros só há médico uma vez por semana, com apenas 5 exames disponíveis para uma população de aproximadamente 1.500 pessoas. Já no anexo do posto de saúde da Itaporanga até uma lâmpada do local é emprestada de um vizinho.