Clima favorável, terras de boa qualidade, recursos hídricos disponíveis. Tudo isso Penedo tem desde sempre, mas o município não consegue ser autossuficiente na produção de alimentos para sua população. Em resumo, esse foi teor do discurso do vereador Messias da Filó (Manoel Messias Lima) durante a sessão realizada em 16 de abril.

A análise motivada pela passagem dos 379 anos de reconhecimento do então povoado como vila teve comparações com municípios vizinhos ou próximos, citando a agropecuária que aquece a economia de Igreja Nova, a fruticultura em Coruripe – especialmente aproveitada pela Cooperativa Pindorama – ou a produção de hortaliças em São Sebastião, irrigada com água de cacimba.

O aproveitamento dos recursos naturais continua ignorado na cidade que perdeu seus investimentos em indústrias de tecido, sabão, óleo e outras atividades. Nem mesmo a aquicultura avança em Penedo, cidade onde uma fábrica para beneficiamento de pescado erguida com recursos da União nunca funcionou.  “Apesar de todo nosso potencial, somo todos dependentes do que vem de fora”, reclamou ao falar da incapacidade do poder público, ao longo de décadas, em atrair investimentos, criando empregos e gerando renda no município.

Para tentar uma solução a médio prazo, Messias da Filó propõe investimentos na agricultura familiar para evitar o êxodo rural e oferecer uma melhor qualidade de vida à população.