O detalhamento sobre o uso das receitas destinadas à Secretaria Municipal de Saúde voltou a ser cobrado pelo vereador Dr. Raimundo (Raimundo Jorge Rosário Souza). No plenário da Câmara Municipal de Penedo, ele citou ainda a precariedade dos serviços prestados à população que não sabe como foram aplicados mais de vinte e um milhão de reais repassados pelo governo federal, somente em 2014, para a pasta comandada pela enfermeira Vera Costa.

Apesar da disponibilidade financeira, a Secretaria Municipal de Saúde mantém o corte das gratificações dos profissionais de saúde que atuam no PSF, incentivo pago pela União que foi cortado para os servidores que aderiram à greve iniciada em novembro do ano passado. Apesar do fim da paralisação que durou mais de dois meses, as gratificações continuam suspensas. Além disso, a má gestão na pasta causa problemas como a falta de atendimento odontológico no posto de saúde do Bairro Santo Antônio (popular Barro Vermelho).

Visitado por comissão parlamentar formada ainda por Valdinho Monteiro, Marcelo Pereira e Ronaldo Vicente, o posto de saúde tem boa estrutura física, mas está sobrecarregado porque atende famílias em quantidade equivalente a duas equipes de PSF. Com pessoal de apenas uma equipe do PSF lotado no posto, a má gestão na pasta fica comprovada pela presença de médica e auxiliar de cirurgião dentista (ACD) apenas dois dias por semana.

Ainda no posto de saúde do Barro Vermelho, Dr. Raimundo e os demais parlamentares constataram a escassez de medicamentos de uso contínuo, no caso para pacientes com hipertensão. Com cerca de 400 pessoas dependentes do remédio identificadas entre os usuários da referida unidade, considerando o uso de apenas um comprimido por dia (em geral, são 2 ou 3), seriam necessários doze mil comprimidos por mês. No posto, a quantidade informada para distribuição aos hipertensos foi de apenas 1.500 comprimidos.

“A gente quer saber se esse pessoal está recebendo o comprimido em casa, vai pegar na farmácia, quanto é que o município aporta de recursos no Conisul, quanto está recebendo do governo estadual e quando está colocando de recursos próprios na saúde?”, questionou Dr. Raimundo durante a sessão realizada em 16 de abril.

O parlamentar reforça a necessidade do envio de documentos/prestação de contas para a Câmara, acrescentando ao final da sessão, já de volta ao seu lugar na bancada, a identificação do uso de R$ 346 mil com locação de veículos pela Secretaria Municipal de Saúde durante consulta na internet.