Vereador Derivan Thomaz questiona qual será o plano de obras para Penedo, com recursos da outorga dos serviços de água e esgoto

Por Ascom CMP

A adesão de Penedo ao modelo de concessão para abastecimento de água e tratamento de esgoto implica na transferência de recursos financeiros para o município, tanto do governo estadual quanto do que for referente à outorga. 

Com base nesse aspecto do processo em curso, o Vereador Derivan Thomaz indagou sobre o plano a ser executado com o recurso da outorga durante a sabatina promovida no plenário do Poder Legislativo Municipal na quinta-feira, 30.

“Se o dinheiro da outorga vem direto para o município, a gente precisa saber qual é o plano de execução que o município tem para utilizar esse recurso”, disse Derivan Thomaz ao justificar o pedido das metas pretendidas com “o montante que não será pequeno”, conforme alertou.

O Prefeito Ronaldo Lopes informou que parte será investido no próprio SAAE para que autarquia seja modernizada, a fim de fiscalizar a execução das obras de saneamento e atender aos povoados que continuarão sob a responsabilidade do município, sem especificar o restante dos investimentos porque dependerá do valor a ser recebido.

“Qual vai ser o diferencial para Penedo?”

Ao Secretário Estadual de Infraestrutura, Derivan Thomaz fez a seguinte indagação: Qual vai ser o diferencial de Penedo nessa negociação ?, pergunta fundamentada na melhor situação financeira e excelência nos serviços que a nossa autarquia municipal presta, comparados aos demais setores autônomos de água e esgoto e até municípios, de modo geral, incluídos no mesmo bloco de Penedo para o leilão marcado para 13 de dezembro.

Além disso, o vereador também questionou Maurício Quintella sobre qual é o prazo para o início das obras de saneamento e ampliação da rede de fornecimento de água, assim como o cronograma de metas a ser cumprido pela empresa concessionária dos serviços.

Atento ao debate que antecedeu sua ida à tribuna, Derivan Thomaz percebeu que não ficou claro, nas respostas do gestor da Seinfra estadual, qual é a fonte de recursos para o fundo de amparo aos servidores da autarquia.

A verba que vai assegurar o pagamento do salário do pessoal efetivo da autarquia municipal – até a aposentadoria de cada um, sem perdas e com todos os direitos incluídos no cálculo – virá do Tesouro Estadual, segundo Quintella, 50% no ato da assinatura do contrato e o restante no início das obras.

Sobre o valor da outorga, o percentual repassado aos municípios será proporcional à população, critério adotado para o repasse do FPM, por exemplo. Em relação ao cronograma, a universalização dos serviços deve ser alcançada em até 8 anos, segundo conta no edital, conforme informou o representante do governo estadual.

“Quando a gente está representando pessoas ou ocupando cargo público tem que falar a verdade e não podemos deixar que as pessoas achem que vai ter um documento antecipado garantido vencimentos, indenização”, afirmou o ex-dirigente sindical sobre a cobrança de documento formalizado, antes do leilão dos serviços, que possa assegurar os direitos trabalhistas dos servidores.

Artigo anteriorVereador Bili Marques destaca que saneamento básico significa mais saúde
Próximo artigoVereador Sargento Marival questiona o que acontece com a empresa que não cumprir as metas de sanear Penedo