A última sessão da Câmara Municipal de Penedo (CMP) realizada no mês de maio abriu espaço para o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Penedo (Sindspem) expor as reivindicações que motivaram a paralisação de advertência do funcionalismo. Em nome do sindicato, a presidente Sandra Alves voltou ao parlamento que cumpre sua função de debater e propor soluções para os problemas coletivos do município.

Entre os pontos principais da pauta constam a falta de equipamento de proteção individual e de fardamento, material de expediente, melhores condições de trabalho, todos itens de obrigação da prefeitura cobrados desde a gestão passada. A presidente do Sindspem falou ainda sobre os 15% de reajuste pedido pelos servidores, com exceção do pessoal da Educação já contemplado com 8,32% de correção no PCC da categoria.

Sandra Alves disse ainda que o atraso no pagamento de parcela relacionado ao acordo firmado entre prefeitura e Sindspem para a quitação de salários atrasados e também sobre a demora na transferência da consignação que cabe ao sindicato, percentual mensalmente descontado pela prefeitura do salário do servidor filiado ao Sindspem.

A falta de retorno da atual gestão sobre as propostas causa insatisfação entre os funcionários que decidem as ações da entidade que os representa, conforme ressaltou a presidente. Os vereadores fizeram questionamentos à presidente e sugeriram algumas medidas.

Intermediar soluções

Para resolver o impasse, o presidente da Câmara Municipal de Penedo Alcides de Andrade Neto (Cidoca) propôs um encontro entre representantes do Sindspem, governo e vereadores. Cidoca e os demais parlamentares afirmaram que a Câmara sempre esteve e estará ao lado do servidor da prefeitura, apresentando números que podem ajudar na negociação entre funcionalismo e administração.

Por Fernando Vinícius – jornalista MTB 837 AL